Baixo Mondego

O Baixo Mondego representa a última etapa deste rio que nasce na Serra da Estrela. Neste sector um conjunto de importantes habitats aquáticos albergam uma importante diversidade de aves. Destes locais destacam-se a Zona de Protecção Especial do Paúl do Taipal, em Montemor-o-Velho. Nesta zona húmida podemos encontrar várias espécies de patos. Destacam-se o Pato-colhereiro (Anas clypeata), o Arrabio (Anas acuta), o Pato-real (Anas platyrhynchos) e o Marrequinho (Anas crecca). A Águia-sapeira (Circus aeruginosus), uma espécie presente ao longo de todo o ano, patrulha constantemente o caniçal à procura de surpreender uma presa incauta. Também aqui podemos encontrar o Ibis-preto (Plegadis falcinellus), o Galeirão (Fulica atra) e o raro Caimão (Porphyrio porphyrio).
Continuando o percurso em direcção à foz, na Figueira, a Ilha da Murraceira, uma área de estuário e de salinas, a diversidade e quantidade de aves aquáticas é considerável. Aqui, grandes números de garças e aves limícolas aglomeram-se todos os invernos, como a Garça-branca-pequena (Egretta garzetta), a Garça-branca-grande (Ardea alba), a Garça-real (Ardea cinerea), o Perna-longa (Himantopus himantopus), o Alfaiate (Recurvirostra avosetta), o Combatente (Philomachus pugnax). Mas o destaque vai para os formosos flamingos (Phoenicopterus roseus), os peculiares colhereiros (Platalea leucorodia), a singular Águia-pesqueira (Pandion haliaetus) e a esquiva Coruja-do-nabal (Asio flammeus). Ainda durante o Inverno, é possível observar um par de cegonhas-pretas (Ciconia nigra) e os piscos-de-peito-azul (Luscinia svecica) que se escondem nos caniços.

Get Updates & More

Thoughtful thoughts to your inbox