Aves da Faia Brava

A Reserva

Localizada no vale do Côa, na faixa fronteiriça do Distrito da Guarda, a Reserva da Faia Brava abrange cerca de 1000ha de propriedades nos concelhos de Figueira de Castelo Rodrigo e Pinhel. Neste sector, as encostas fluviais do Côa atingem grande declive e são formadas por afloramentos rochosos graníticos, escarpas, idóneas para a nidificação de aves rupícolas. Está inserida na ZPE do Vale do Côa (Rede Natura 2000) e IBA (Birdlife International Important Bird Area) e, finalmente, no Parque Arqueológico do Vale do Côa, classificado pela UNESCO como Património da Humanidade.
Em 2010 a Reserva da Faia Brava foi classificada pelo Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) como a primeira Área Protegida Privada do país e actualmente é também uma área-piloto do projecto europeu Rewilding Europe, que promove a criação de mais espaços para a vida selvagem e o turismo de natureza na Europa.

Faia Brava Reserve
Faia Brava Reserve
Cork Oak forest

As aves da Faia Brava

A fauna da Faia Brava é muito diversificada e este é um dos motivos da sua importância. As aves são o grupo que mais se destaca pela variedade e ocorrência de espécies de grande valor para a conservação. Destas, destacam-se a Cegonha-preta (Ciconia nigra), o Abutre do Egipto (Neophron percnopterus), o Grifo (Gyps fulvus), a Águia-real (Aquila chrysaetos), a Águia de Bonelli (Aquila fasciata), o Bufo-real (Bubo Bubo), a Andorinha-daurica (Cecropis daurica), a Andorinha-das-rochas (Ptyonoprogne rupestris), o Andorinhão-real (Apus melba) e, recentemente, o Andorinhão-cafre (Apus caffer). Outras espécies que aqui também podemos encontrar são a Águia-cobreira (Circaetus gallicus), a Águia-calçada (Hieraaetus pennatus), o Noitibó-de-nuca-vermelha (Caprimulgus ruficollis), o Abelharuco (Merops apiaster), o Melro-azul (Monticola solitarius), a Toutinegra-real (Sylvia hortensis), a Toutinegra-de-cabeça-preta (Sylvia melanocephala), a Toutinegra-carrasqueira (Sylvia cantillans), o Picanço-barreteiro (Lanius senator), a Cotovia-montesina (Galerida theklae), a Pega-azul (Cyanopica cooki), o Estorninho-preto (Sturnus unicolor), o Pardal-espanhol (Passer hispaniolensis).

 

 

Duração: 1 dia.

Tipologia: misto (pedestre e viatura).

 

 

No extremo norte do distrito da Guarda. Para quem vem de Lisboa ou do Porto, deve seguir-se até à Guarda e depois pela A25 até ao nó do Leomil (saída 32), seguindo depois por Almeida e Figueira de Castelo Rodrigo (N324-N340-N332) e, por fim, pela M607 em direcção a Cidadelhe/Meda para chegar ao limite Sul da reserva ou, pela N332 em direcção a Foz Côa, desviando para Algodres, no limite Norte.

 

 

Até 3 participantes: 132,50 €

A partir de 4 participantes: 35,00 € (preço por pessoa)

O preço da actividade inclui guia especializado, transporte desde Figueira de Castelo Rodrigo, disponibilização de equipamento óptico, seguros, taxa para a conservação da natureza e gestão da Reserva.

Grupos até 6 participantes. Para outras condições, contacte-nos.

Acresce o IVA à taxa em vigor.

 

 

Através dos contactos disponibilizados, indicando o seu nome e contacto de telemóvel/email.

A reserva de lugar só é garantida mediante o pagamento de 50% do valor da inscrição.

Formulário de contacto

email: info@wildlifeportugal.pt

Telemóvel: +351 918 068 872