fbpx

Bosques e prados da Malcata

Reserva Natural da Serra da Malcata

Esta área protegida ocupa cerca de 16 350 hectares de média montanha e situa-se junto à fronteira com Espanha, numa das zonas mais remotas de Portugal e afastada do bulício urbano.

Correspondendo à continuidade da Serra de Gata, que se desenvolve do lado espanhol, trata-se de uma serra de xistos, pontuada por afloramentos quartzíticos e de cumes caracteristicamente arredondados. No entanto, as suas vertentes podem ser muito declivosas, cobertas de bosques e profundamente sulcadas pelas tímidas linhas de água. A sua altitude varia entre os 425 e os 1078 m.

O Lince da Serra da Malcata

A Reserva Natural foi criada em 1981, na sequência da campanha “Salvemos o Lince e a Serra da Malcata”, numa das manifestações ambientais mais proeminentes da sociedade portuguesa. Posteriormente, as relíquias da sua mata mediterrânica levaram à classificação de Reserva Biogenética do Conselho da Europa.

É neste território, em particular na Serra das Mesas, que o Rio Côa tem o seu berço e, no seu troço inicial, delimita a Reserva pela sua parte Norte.

O Percurso

Bosques e prados da Malcata desenvolve-se no limite Norte da Reserva, partindo das margens do rio Côa – aqui ainda um infante – e percorre as encostas envolventes. Aproveita os antigos caminhos, passando por áreas seminaturais, onde as actividades rurais vão gradualmente desaparecendo, dado novamente a oportunidade ao carvalho-negral de ocupar as suas áreas primitivas. Nas áreas baixas e abertas mantêm-se prados e pastagens, ainda hoje pastoreados por grupos de vacas provenientes das aldeias de Quadrazais e de Vale de Espinho. Esta é uma paisagem que foi moldada pelo homem ao longo de centenas de anos, recorrendo ao uso do fogo, do pastoreio e do arado. Aqui misturam-se os carvalhais e matagais de giestas, com os lameiros, as searas e alguns núcleos de resinosas.

Côa River - Bosques e prados da Malcata
Bosques e prados da Malcata
Alder Buckthorn at Malcata mountain

A fauna selvagem

Este mosaico é habitat para inúmeras espécies de carnívoros, como o Gato-bravo (Felis sylvestris), a Raposa (Vulpes vulpes), a Gineta (Genetta genetta), a Fuinha (Martes foina) ou o Texugo (Meles meles). Outrora foi território ocupado pelo ameaçado Lince-ibérico.Também por aqui podemos encontrar o Corço (Capreolus capreolus) e o Veado (Cervus elaphus).

As aves são animais mais facilmente observáveis, sendo de destacar as aves florestais como o Gaio-comum (Garrulus glandarius), a Trepadeira-azul (Sitta europaea) e a Pega-azul (Cyanopica cooki) – uma espécie exclusiva de Portugal e Espanha. Contudo, não é incomum a observação de abutres, como o Grifo (Gyps fulvus) ou o Abutre-preto (Aegypius monachus), sobrevoando a região.

Nas linhas de água corrente, ou nas suas margens, podemos encontrar a Rã-ibérica (Rana iberica) e o Lagarto-de-água (Lacerta schreiberi), dois endemismos ibéricos. A par destas, ainda ocorre neste território, nas zonas mais rochosas, a pequena Lagartixa-do-Guadarrama (Podarcis guadarramensis).

A riqueza botânica

A paisagem ao longo do percurso está composta por núcleos de carvalhos-negrais (Quercus pyrenaica), matagais e pinhais, intercalados por áreas abertas nas zonas baixas, habitualmente lameiros e prados. Esta diversidade de ambientes permite a ocorrência de uma grande variedade de plantas, algumas delas de distribuição restrita à Península Ibérica, como a pequena e aparentemente frágil Violeta-amarela (Viola langeana), a Hispidella hispanica, a Verónica-de-faces-rosadas (Veronica micrantha), a Esporas-bravas (Linaria triornithophora), a Linária-das-rochas (Linaria saxatilis), a Giesta-branca (Cytisus multiflorus), o Codesso (Adenocarpus lainzii), entre muitas outras.

 

Duração: cerca de 4h

Extensão: 9km

Tipologia: circular

Desnível acumulado: 210m

Elevação máxima/mínima: 921m/816m

 

Época aconselhada

Pode ser realizado durante todo o ano. No Verão é preciso atenção às elevadas temperaturas. Contudo, o percurso é bastante arborizado e com alguma sombra.

 

RECOMENDAÇÕES E CONSELHOS PRÁTICOS

Para esta actividade é necessário calçado confortável (de preferência botas de montanha ou desportivo), calças, corta-vento e restante vestuário adaptado à estação do ano e às previsões meteorológicas. Chapéu para a cabeça e protector solar. Levar água (pelo menos 1,5L) e lanche individual constituído, entre outros, por sandes, fruta ou barras energéticas, frutos secos.

O programa previsto pode sofrer algumas alterações caso as condições meteorológicas se apresentem demasiado adversas.

 

 

1/2 DIA

Preço por pessoa: 18,00 €

1 DIA

Preço por pessoa: 23,00 €

 

O preço indicado aplica-se a um grupo mínimo de 4 participantes e inclui o acompanhamento por guia, seguros, taxa para acções de conservação da natureza.

A reserva de lugar só é garantida mediante o pagamento de 50% do valor da inscrição.

Até 10 participantes. Para grupos entre 4 e 10 participantes oferecemos condições especiais. Por favor contacte-nos.

Oferta de desconto igual ao IVA para clientes particulares.
Acresce o IVA aos preços indicados, para empresas e outras entidades.

 

 

Através dos contactos disponibilizados, indicando o seu nome e contacto de telemóvel/email.

A reserva de lugar só é garantida mediante o pagamento de 50% do valor da inscrição.

Formulário de contacto

email: info@wildlifeportugal.pt

Telemóvel: +351 918 068 872